segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Giro no Pedal: Fomos "virar" à Torre


E fomos mesmo. Somos descomplexados nas escolhas dos Giros: qualquer um serve. E por norma votamos o destino nas primeiras pedaladas da manhã. Domingo passado foi mais uma dessas vezes.

Ainda sem ideias do rumo, ao serão de Sábado dou uma gargalhada quando percebo a sms do Vítor a prometer escolher uma pedra no Alto do Jarmelo para debaixo esconder o reforço. Mais um pretexto para castigar as pernas e subirmos ao Jarmelo - pensei eu...

A bicicleta do Paulinho a acusar a falta de atenção... falta de ar nos pneus!


No largo em Casal de Cinza.

O Forninho da Estação estava a meio gás. Ás 08h30 o café é o pedido mais escutado. Paulinho contou-nos esta parte, pois foi o 1º a chegar e a cumprir o agendado. Algo como 15 minutos mais tarde cheguei eu e apercebi-me de 2 btt'istas em aquecimento num dia que se mostrava frio (-0,5ºC). Ricardo Cruto também aguardava pelos atrasados e era mais um a pedalar. A Xolas e o Mike acompanhados pelo Paulo Rodrigues tardariam outros 10 minutos...  Já na Castanheira era a vez do Carlos e o do Vítor a prepararem-se para um encontro a meio-caminho. 

Saímos por alcatrão, direitos a Casal de Cinza. Cumprimentamos os Castanheirenses derrotados pelo relógio (sim porque desta fomos nós a chegar primeiro!) e saímos a correr para o café que estava... fechado. Prontamente o plano B entrou em cena e trouxe à ideia o Polidesportivo de Casal de Cinza logo ali ao lado - tem um BAR! 
Veio a 2ª rodada de cafés e finalmente fomos pedalar...

Vitor e Carlos a juntarem-se ao Team.

Á vontade de pedalar mais a Sul alguém juntou: " E se fossemos à TORRE??"  Esboçámos sorrisos mas todos concordámos com a ideia, temos boas recordações da Torre.
No cruzamento a seguir a Creado virámos para a Torre. 


Seguiu-se Albardo e Pousadinhas sempre em marcha acelerada... q.b.  Estávamos a entrar em Pousade quando encontrámos  um grupo de bttistas, também eles escolhem o Domingo para esticar as pernas.
Alguns partilhavam da sede e também entraram no café da terra. Era a hora do Cai-Bem, que rica "buída" !


 Ricardo Cruto no controlo da  máquina "pelingráfica".



Depois dos líquidos repostos, estava na hora de rolármos até ao Jarmelo. Alguns ficaram a conhecer novos trilhos.


A subida até ao Alto do Jarmelo foi tomada em ritmos diferentes, alguns a pedalar em grande forma como o Paulo, Ricardo, o Carlos, a Xolas, ou o Vítor que encabeçaram o pelotão. No meu caso estava a pedalar para correr com os restos da gripe ainda remanescentes. É a fruta da época...

Junto a umas das mesas de pedra que existem no cimo, descansámos da tirada. Qual não foi o nosso espanto quando vimos o Vítor já a regressar com um saco de hipermercado na frente da sua bike...




Prometeu e cumpriu! Nessa mesma manhã, a caminho da Castanheira, tinha ido colocar o tal reforço debaixo da pedra!!  E que reforço... Um Tupperware cheio de bolinho delicioso já cortado em doses individuais, Ice-Tea, copos e até guardanapos! Nada faltou numa mesa posta ao pormenor. 

São estes detalhes que fazem o team viver cada Domingo em grande companheirismo e boa disposição. Fantástico, surpreendeu-nos a todos!

Pode-se dizer que foi a cereja no topo do Jarmelo, pois logo a seguir os compromissos de cada um fizeram com que nos dividíssemos no trajecto a cumprir.

Terminámos com 42 kms na corrente, e uma barrigada de bolo!
Mais um Giro no Pedal que marcou um bom momento.

Até para a semana! :)

domingo, 30 de janeiro de 2011

Varreram os Top's! - Porreiro & O Gangue

Kool & the Gang é um grupo americano de grande sucesso formado na cidade de Jersey City no estado americano de Nova Jersey em 1964. Eles passaram por várias fases musicais na sua carreira, começaram com Jazz, a seguir deram cartas no R&B até chegarem ao Disco Sound. Recordemos um single do album que 1982 que atingiu o Nº 3 do UKchart - Get Down It.




sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Babe'onBike : Hey Babe you wanna go out?










Saídas... a pedalar!
Bom fim-de-semana de pedaladelas!

Eco-Living: Ciclismo é Saúde

Muitos são os benefícios que andar de bicicleta traz aos praticantes, já os sabemos.
No entanto nunca é demais referi-los e publicitá-los. Sempre pode servir para convencer mais alguns a entrarem no fabuloso mundo das duas rodas a pedal. Foi o que fez o Miguel Teixeira - nosso conhecido -, que encontrou um excelente artigo, no blog do Centro de Saúde de Sernancelhe. Sugeriu e aqui está ele! 



"
Andar de bicicleta por prazer e lazer, para se sentir bem, gozando a companhia dos amigos, tem um bom argumento: melhoria da saúde física e mental. A prática do ciclismo, tem enormes benefícios para a saúde. 
Aqueles que andam de bicicleta com regularidade procuram-nos menos nas consultas. Muitos daqueles que apresentam mal estar, como dores lombares, sobrecarga ponderal ou risco de doenças cardiovasculares, bem podem investir na sua saúde usando a bicicleta.

Mesmo que se comece numa idade mais avançada efectuando o exercício regularmente, os resultados vão sempre visíveis ao fim de poucas semanas.
O QUE FAZ A BICICLETA PELA SAÚDE?
Óptimo tonificante para coração e aparelho cardiovascular
Se passear de bicicleta de uma forma regular reduzirá o risco de enfarte em 50%. Com o exercício do pedalar, o ritmo cardíaco aumenta e a tensão arterial diminui. Baixa o colesterol, de forma que os vasos sanguíneos venham a ter menos probabilidade de obstrução. Os vasos sanguíneos permanecem flexíveis e saudáveis se movimentar as pernas todos os dias.

Para a máxima eficiência do exercício recomendamos que faça um trabalho de intervalos com mudanças de ritmos frequentes. É o tipo de treino que mais rapidamente tem efeitos na condição física. Aqueça a um ritmo suave, com uma cadência de pedalar alta, alcance o ritmo de rodagem. Depois a cada 15 minutos, intercale aumentos de intensidade de 3 a 4 minutos de duração durante os quais a pulsação ir-se-há alterar consideravelmente (80 a 85% das pulsações máximas).

Compense com alguns exercícios de abdominais, contraindo esta zona com as pernas flectidas cada vez que pedalar. Assim terá na bicicleta umas melhoras das actividades para os que sofrem dores de coluna. Mas há que ter em atenção a posição que se adopta por cima do selim se tiver dores. Uma má postura pode ajudar a intensificar as dores na zona lombar, prejudicando ainda mais a saúde. Deverá sentir-se bem em cima do selim, caso contrário poderá prejudicar a sua condição física.
Melhorando a coluna vertebral

Quando se adopta a postura óptima no selim, com o tronco ligeiramente inclinado para a frente, a musculatura da coluna está sobre baixa tensão e vê-se obrigada a estabilizar o tronco. Muitas dores de costas provêm da inactividade, que reduz a alimentação dos discos intervertebrais e estes, por sua vez, vão perdendo a capacidade de amortecer os impactos. Além disso, a falta de exercício faz com que a musculatura da coluna se vá atrofiando, diminuindo consideravelmente a função de “mola”.

Os movimentos regulares das pernas fortalecem a zona lombar, prevenindo o aparecimento de hérnias discais e mantendo a coluna protegida por vibrações e pancadas. O ciclismo estimula os pequenos músculos das vértebras dorsais (muito difíceis de movimentar noutro desporto), ao fazer constantemente que se comprimam e alonguem com o movimento do pedalar.
Evitar o desgaste das rótulas  
A diferença para as actividades físicas onde existe impacto no solo, como os saltos ou a corrida é que, por cima da bicicleta, as rótulas estão protegidas, pois 70 a 80% do peso do corpo exerce a força da gravidade sobre o selim. O impacto excessivo de alguns desportos diminui a acção líquido articular ou sinovial, substância muito viscosa que contribui para a lubrificação das articulações, facilitando os movimentos. A bicicleta será, para alguns casos, a melhor alternativa à corrida, com benefícios físicos muito similares e sem tanto desgaste articular.
 

Prevenir as infecções e o cancro
Cada vez que passeia de bicicleta, está a estimular o sistema imunológico. Os anticorpos do organismo mobilizam-se de forma imediata graças ao pedalar para destruir bactérias e células cancerígenas. Esta é a razão pela qual se recomenda andar de bicicleta a doentes cancerosos e seropositivos.

Os esforços moderados reforçam o sistema imunitário, enquanto que os de intensidade máxima debilitam-no. Se está exposto a factores de risco (frio, pessoas infectadas, poucas horas de sono...), não execute trabalhos muito intensos, espere que as reservas de energia fiquem equilibradas para desenvolver este tipo de esforços.
O ciclismo com anti-depressivo
O cérebro fica mais oxigenado, permitindo-lhe pensar melhor. O seu corpo segrega endorfinas, as hormonas que dão uma sensação de bem estar, podendo tornar-se num vício saudável.

Está provado que aqueles que andam de bicicleta regularmente sofrem menos doenças do foro psicológico como depressões, por exemplo. Pedalar é um dos melhores anti-depressivos naturais que existem.

As endorfinas, também chamadas hormonas da felicidade, são geradas com a prática de exercício físico, de forma mais notável quando se passa mais de uma hora em cima da bicicleta. 


                                  Dr. António José Leitão Canotilho
                                             
Médico assistente graduado de clínica geral

"

O original pode ser encontrado aqui

Vídeo: Afinal há perigo nas bicicletas...




E que perigo!

Divulgação: Btterras de Cabral 2011 - Belmonte


Toda a informação relativa a esta maratona neste link.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Vídeo: Btt Memória

Apesar de que o pedalar nem sempre foi como o conhecemos actualmente, temos de reconhecer que existem ainda muitas semelhanças entre as diferentes fases em que a actividade foi desenvolvendo raízes na sociedade. 
Vale a pena assistirmos a 2 pequenos trailer's da autoria da British Rail film board, que descreve  os dias pedalados por volta do ano de 1955. ( aproveite e treine o seu inglês!)




domingo, 23 de janeiro de 2011

Giro no Pedal: "Aferrujados..."



Por : Miguel Teixeira

No passado domingo 16 , depois de dormir umas horitas á pressa, o despertador toca, são 8:30, hora de sair da cama para ir pedalar. Ponto de encontro no Forninho da Estação. Com mais ou menos atrasos o pessoal lá se reuniu, isto dos atrasos não fugiu ao normal, sabe-se como é, os bons hábitos são para se preservar...

Entre a Quinta da Umbelina e Menoita.









Posto isto, lá partimos em direcção ao outeiro ainda sem ter um trajecto bem definido.
E assim fomos rolando. A cada par de quilómetros fomos definindo a direcção a tomar. 



Para mais tarde recordar: Na ribeira antes de Rocamonde






Primeiro troço, guarda-gare -» Outeiro de São Miguel e daí até Avelãs de Ambom. A chuva que de certa forma se temia que aparecesse não dava sinal o que agradava a todos, embora se nota-se que tinha caído em abundâncias nos dias anteriores. Charcos por todo o lado, muita lama, lameiros alagados e ribeiros a transbordar. Minha gente, a lama faz bem á pele, portanto tá tudo bem. Porém apenas Ricardo Cruto e Patrícia gostaram tanto da coisa que se aventuraram pelos trilhos mais lamacentos, tendo mesmo dado para recauchutar pneus e sapatilhas de fresco! Houve ainda momentos em que a bicicleta se tornou num veiculo híbrido o que decerta forma nos veio facilitar o posteriror trabalho de a lavar.







 




 Em seguida dirigimo-nos a Rocamonde onde nos esperava a picada do dia, não muito longa mas puxadita. Em rocamonde decidimos parar um pouco para comer uma barrita e beber uns líquidos junto ao que restava do madeiro de natal. Quem já tinha andado por aqueles lados propôs que fossemos visitar uma santa (N.Sra. de Fátima) que está isolada no monte antes de chegar ao apeadeiro do sobral. Visita terminada e descanso “abençoado” lá vamos em direcção ao Alvendre onde se fez a quase obrigatória paragem para o cai-bem e para um ice tea de frutos eróticos, ai exoticos! 




Saciada a sede lá vamos nós para a ultima tirada Alvendre -» eólicas – » Guarda pelo trilho que se tinha subido na mítica invernal. Chegados à Guarda e como quase toda a comitiva era residente lá para os lados da estação fiquei sozinho nos últimos metros até casa e os restantes lá foram em pelotão compacto neste ultimo troço. Troço este que ainda animou as ostes com um furo sendo o contemplado o Coelho que por acaso era o que estava mais perto de casa. Alguma sorte dentro do azar. Para finalizar só falta dizer que desta vez éramos 6 riders – Miguel, Patrícia, Bruno, Filipe, Coelho e Ricardo Cruto. Falta só dizer que este grupo circulou sempre a uma velocidade estonteante… 4 horas para os 35 kms, demos-lhe forte… ;)


sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Divulgação: 3º Passeio BTT Rota do Cabicanca - Aguiar da Beira.

Chegou ao nosso correio electrónico mais um evento BTT, que se adivinha de grande qualidade. Assim se mostraram as edições anteriores. Este ano vão distribuir jersey's da modalidade alusivas ao evento. Mais info no site da Câmara Municipal de Aguiar da Beira - organizadora do passeio.





terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Eco-Living: Universidade Austriaca pioneira


Já vimos alguns veículos híbridos e eléctricos serem reconhecidos e até premiados publicamente. A locomoção de veículos através da energia eléctrica está em grande evolução e apresenta-se como a maior tendência para um volte-face no mundo do consumo energético...por todo mundo. Em pleno centro da cidade da Guarda existe um ponto Mobi-e . Um dos que estão espalhados pelo país. Este encontra-se junto (ao agora) antigo Hotel Turismo da Guarda.

Para além disso temos assistido a um esforço suplementar, nessa área, focado nas bicicletas. Um bom exemplo disso é o caso da Energie Graz na Áustria. Foi instalada uma estação de carregamento gratuito para bicicletas eléctricas, no campus da Universidade de Graz.
Cerca de 85% dos estudantes chegam à universidade por outro meio de transporte que não o automóvel, onde as e-bikes são uma escolha bastante popular e comum. Tanto que as previsões mais recentes apontam para um aumento entre 2,750 a 400,00 mil novas unidades a serem adquiridas nos próximos 10 anos...




Com estes números e uma população eco-motivada , a universidade preparou a evolução dos próximos tempos com este novo equipamento amigo do ambiente, gratuito e equipado com um sistema de segurança anti-furto. E já hoje qualquer um dos 27,000 alunos ou dos 3,500 colaboradores da universidade pode carregar a sua bicicleta enquanto estudam ou trabalham. Os mentores desta ideia planeiam instalar similares em hoteis, centros comerciais e parques de grandes empresas.

Ora aqui está uma excelente ideia a seguir por cá. Que é que nos falta para a pôr em práctica?

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011